A Verdade Sobre os OVNIs e ETs

Você com certeza já ouviu falar muito em OVNIs (objetos voadores não identificados), em jornais, revistas e principalmente na televisão.

No mundo todo há relatos destas aparições e centenas ou até milhares de pessoas já tiveram um contato com esses objetos.

Existem hoje muitos cientistas que estudam estes fenômenos, em programas aprimorados e que contam com verbas do governo, além de juntas independentes, e diante de tantas aclamações e polêmica, isso nos leva a considerarmos este assunto e buscarmos na Bíblia alguma pista que nos faça entender e nos situar nesta questão.

Não tenho como objetivo colocar uma explicação exaustiva sobre os OVNIS, mas apenas refletir em princípios básicos do nosso conhecimento da Bíblia e a existência de extra terrestres.

A Igreja Adventista, baseada no conhecimento Bíblico e dos Escritos de Ellen White considerados inspirados por Deus) acredita que existe vida extra- terrestre, mas que estes seres não tem contato com o planeta Terra, por limitações que o próprio Criador impôs.

Sendo assim devemos distinguir os extra-terrestres verdadeiros (seres criados por Deus – ver Jó 1 e 2) dos falsos ETs, que são os presumíveis seres que aparecem por aí (se é que aparecem), e que se realmente aparecem, não são extra-terrestres, mas fruto de mais um engano dos inimigos de Deus, Satanás e seus anjos.

Satanás e seus anjos têm poder para se manifestarem de muitas formas: “E não é de admirar, porquanto o próprio Satanás se disfarça em anjo de luz”. (2 Coríntios 11:14).

A Bíblia é clara em dizer que nos últimos dias o diabo faria de tudo para enganar, usando seus poderes sobrenaturais: “E operava grandes sinais, de maneira que fazia até descer fogo do céu à terra, à vista dos homens”. (Apocalipse 13:13).

Você já percebeu que os OVNIs na sua grande maioria, são manifestações de luz? Notou que quando a Bíblia cita alguns enganos de Satanás também os relaciona com luz?

Em Mateus 2:2 lemos: “Onde está aquele que é nascido rei dos judeus? pois do oriente vimos a sua estrela e viemos adorá-lo”. Este texto fala de uma estrela que os magos seguiram para encontrar o menino Jesus. No livro Desejado de Toas as Nações, Ellen G. White define esta manifestação sobrenatural: “Aquela estrela era um longínquo grupo de anjos resplandecentes”.

Os anjos de Deus usaram sua luz para produzirem uma imagem sobrenatural de uma estrela.
Sabemos que os anjos caídos também possuem tal poder, e poderiam muito bem usá-lo para formarem OVNIs e iludirem os seres humanos.

Você pode perguntar: com qual objetivo Satanás e seus anjos fariam isso?

Antes de propor algumas respostas, hoje (02/10/2008) eu assistia um programa no canal The History Channel sobre os OVNIS, e enquanto buscava uma explicação bíblica para esses fenômenos, o apresentador citou uma mulher que numa seção espírita foi levada até Marte (abdução) e conheceu a língua dos ETs.

Por que haveria uma ligação entre espiritismo e OVNIs e/ou ETs?

A resposta é simples: tanto o espiritismo como os fenômenos atribuídos a OVNIs e ETs são frutos dos enganos satânicos dos últimos dias.

O primeiro objetivo de Satanás é iludir os humanos produzindo a falsa esperança numa forma de vida superior e melhor do que a nossa.

Acreditar em OVINs também nos faz questionar a veracidade da Bíblia, em um Deus Criador que está tentando salvar o mundo. A Terra seria neste sentido, só mais um planeta habitado no imenso universo em busca de aprimoramento e evolução, independente de um Salvador.

É desejo também do inimigo de Deus preparar a Terra para seu último engano – imitar a volta de Cristo. Contatos alienígenas seriam formas de preparar o caminho para a aparição de um ser iluminado (Satanás em forma de anjo de luz) que levaria o planeta para um caminho melhor e evoluído.

Que bom termos a Bíblia e o Espírito de Profecia para nos nortear em uma época de tantos enganos e falácias. Enquanto Jesus não volta, vamos estudar Sua Palavra e ajudar a outras a se orientarem neste mundo de trevas.

Anúncios

Australiana alerta para chegada de ETs

Está prevista para a próxima terça-feira (21/10/2008), a chegada de uma nave espacial à Terra. De acordo com um vídeo divulgado na Internet no mês passado, a mensagem teria sido “canalizada” pela australiana Blossom Goodchild.

A australiana disse que uma nave-mãe poderá ser vista no Hemisfério Sul (na verdade, Norte) e no Estado de Alabama (Estados Unidos), por um período de três dias.

Blossom afirma que a mensagem foi enviada pela entidade Federação da Luz, com a qual manteria contatos desde 2007.

De acordo com ela, o anúncio foi ditado pelos extraterrestres e enviado por e-mail a 128 pessoas. A notícia se espalhou e virou um vídeo postado na web, com versão em português.

Fonte: Terra

Saiba mais: “Hollywood prepara população para receber os extraterrestres” (Leia aqui).

fonte:/ minutoprofetico.blogspot.com

Jesus Cristo: alienígena

(Jesus Cristo viveu como alienígena) Como se a interpretação da Bíblia não gerasse muita discórdia entre céticos e cristãos, um ufólogo surpreendeu crentes e ateus no domingo (7), durante a palestra “Jesus, o Extraterrestre Incompreendido”, no 12º encontro “Diálogo com o Universo”, promovido na região de Botucatu, a 238 km de São Paulo.

O economista aposentado e ufólogo, Alfredo Nahas, de 63 anos, disse que Jesus Cristo realmente existiu, mas viveu na forma de um alienígena, concebido em outro planeta. “Jesus viveu como alienígena. Na Bíblia, ele dizia que não era daqui”, argumenta o ufólogo Alfredo Nahas.

O economista aposentado vê passagens bíblicas como previsões da globalização e do contato com seres extraterrestres. Nahas acredita em vida fora da Terra e diz já ter visto uma nave espacial no Rio de Janeiro.

O ufólogo usa tais previsões em formas de parábolas bíblicas como verdadeiras. Segundo a interpretação de Nahas, um discurso bíblico em que Jesus Cristo diz ter vindo de outro lugar é o bastante para Nahas chamá-lo de ET.  “Só acreditem se acharem que faz sentido”, advertiu a platéia como cautela de críticas.

O ufólogo não era o único a considerar Jesus Cristo um ET no evento.
Uma participante o interpelou ao final da conferência para cerca de 200 pessoas: “É tudo o que sempre pensei”, disse a admiradora.

G1 noticias

Nota: Que Jesus não é deste mundo com certeza nós sabemos, pois como iriá viver Ele num mundo de erro como este. Um ser Perfeito e que não se acha em pecado. Jesus “Veio para o que era seu, e os seus não o receberam.” (Jo 1:11) Se fez carne e habitou entre nós.   

Mas tenho uma boa noticia pra você, Jesus não só fez este mundo, mas como você e eu, todas as coisas foram feitas por intemédio dele, e, sem Ele, nada do que se foi feito se fez.  Ele, Jesus, nos dias da sua carne, tendo oferecido, com forte clamor e lágrimas, orações e súplicas a quem o podia livrar da morte e tendo sido ouvido por causa de sua piedade, embora sendo Filho, aprendeu a obidiência pelas coisas que sofreu e, tendo sido aperfeiçoado, tornou-se o Autor da salvação eterna para todos os que lhe obedecem. Jesus Cristo, ontem e hoje, é o mesmo e o será para sempre. Não vos deixeis envolver por doutrinas várias e estranhas, porquanto o que vale é estar o coração confirmado com graça. Pois a nossa pátria está nos ceús, de onde também aguardamos o Salvador, o Senhor Jesus Cristo.

Design inteligente – só fora daqui

Este 15 de agosto marca o trigésimo-primeiro aniversário do evento (sério) mais próximo que tivemos de contato extraterrestre. Esse evento ficou conhecido como “sinal uau”, do inglês wow signal. Apesar de nunca ter sido dada nenhuma explicação razoável para o fenômeno, infelizmente não podemos dizer que realmente tivemos um contato extraterrestre. Vamos aos fatos.

Em agosto de 1977, o Dr. Jerry Ehman estava em um projeto de busca de sinais de origem extraterrestre, que depois acabou evoluindo para o projeto Seti (procura por inteligência extraterrestre, na sigla em inglês). Ehman estava usando o radiotelescópio da Universidade de Ohio, nos EUA, conhecido como Orelhão (Big Ear, em inglês). Esse radiotelescópio era fixo no chão, de modo que não havia apontamento. Uma parede refletia o sinal do céu em uma superfície parabólica que focava o sinal em dois detectores, chamadas de “cornetas” no jargão. Como todo o aparato era fixo, as cornetas apenas recebiam o sinal daquilo que passava no céu naquele instante, e aí um computador registrava tudo. Como o volume de informações era gigantesco, todo sinal detectado pela antena era codificado em uma seqüência alfanumérica de 6 caracteres, que resumia as suas principais características. A idéia era detectar algo suspeito e depois partir para observações mais precisas em outros telescópios.

No dia 19 de agosto de 1977, o Dr. Ehman estava checando as saídas impressas do computador para ver o que tinha acontecido nos dias anteriores. O volume de dados era gigantesco, de modo que não dava para fazer tudo simultaneamente. Olhando uma das folhas impressas ele notou o seguinte código: “6EQUJ5″ no canal 2 do telescópio. Isso significava que um forte sinal em rádio, com uma banda em freqüência bem estreita vinda de uma região bem pequena do céu (vista na foto que abre esse post), havia sido detectado. Impressionado com isso, Ehman circulou o código e escreveu UAU! (Wow! no original) em vermelho. Ele continuou a análise dos dados dos outros dias, especialmente procurando por uma repetição do sinal, já que a mesma região do céu era observada a cada dia. Mesmo não tendo encontrado uma repetição do sinal, Ehman comunicou a descoberta aos seus colegas John Kraus e Bob Dixon, que passaram a chamá-lo de “sinal Uau!”.

Esse sinal passa por todos os testes para classificá-lo como vindo de uma civilização extraterrestre tentando contato com alguém. Ele era intenso, vinha de uma fonte de pequenas dimensões do céu, tinha uma banda bem estreita e estava na freqüência da linha de 21 cm do hidrogênio, que é a linha sugerida para se procurar por sinais assim.

O hidrogênio é o elemento mais abundante do Universo; se alguém deseja estudar o material mais abundante do Universo, vai ficar observando essa linha. Então, se você quiser que alguém detecte um sinal seu, é melhor escolher uma freqüência em que você sabe que vai ter alguém escutando. A escolha mais natural é a linha de 21 cm do hidrogênio.

Então por que ninguém admite que temos um sinal de vida inteligente fora da Terra desde 1977? Por que esse sinal falha em um único ponto, justamente o mais crítico: ele não se repetiu. Ehman, Kraus e Dixon procuraram uma repetição do sinal por meses a fio usando o mesmo Orelhão e nada.

Anos mais tarde, os radioastrônomos Robert Gray e Kevin Marvel decidiram procurar esse sinal. Eles nunca ficaram convencidos que se tratava de um sinal espúrio, provocado por ruído. De fato, o próprio método de observar deixa poucas dúvidas da origem celeste do sinal. Como o Orelhão ficava parado e as fontes é que corriam por sobre suas cornetas, um sinal celeste (não necessariamente de vida inteligente) tem um padrão de intensidade quando detectado. Ele deve crescer do zero até atingir um máximo e depois cair a zero novamente, seguindo um perfil bem específico. Isso aconteceu com o sinal Uau e durou exatamente 72 segundos, o tempo em que a fonte no céu leva para percorrer o campo de detecção de uma das cornetas (chamado de feixe). Esse fato descarta um sinal de interferência vindo da Terra, ou mesmo de algum satélite em órbita baixa. …

Então, o que teria causado esse sinal? Uns 20 anos depois, o próprio Ehman listou as possibilidades. Dentre elas, planetas e asteróides podem ser excluídos, bastando olhar suas posições. Uma transmissão de satélite também é improvável, pois a freqüência de 1420 MHz é protegida. Existe um acordo mundial para que essa freqüência nunca seja usada por ninguém, pois ela é muito importante para a astronomia. Mas e se alguém ali por perto do radiotelescópio resolvesse mandar uma mensagem ao espaço justo naquela hora? Também parece improvável, pois o sinal teria de ser apontado direto para que o Orelhão o detectasse. Além do mais, o sinal se comportou exatamente como o esperado para uma fonte astronômica, o que também exclui um sinal de rádio vindo de um avião.

E se esse sinal tivesse sido transmitido da Terra e tivesse sofrido uma reflexão no lixo espacial em órbita da Terra? Nesse caso, teria de ser um pedaço de metal. Até aí tudo bem, mas ele teria de estar em uma órbita muito alta, e pior, não poderia ter rotação alguma. Essas duas características, especialmente a última, são bem improváveis de acontecer com um pedaço de lixo espacial. Um efeito produzido por lente gravitacional duraria mais tempo, e a cintilação interestelar (um tipo de cintilação parecido com aquela que vemos no céu) só corrobora a idéia de que o sinal tem origem no espaço distante.

Depois de listar todas essas possibilidades Ehman admite que ele só consegue imaginar um sinal emitido por alguma civilização inteligente. Mas por que não admitir isso? Nas palavras dele (traduzidas por mim): “Porque eu sou um cientista, e como tal eu sei que essa hipótese só seria aceitável se eu e outros colegas também detectássemos esse sinal mais vezes.” …

(Blog Observatório)

Nota: É interessante notar como a predisposição faz as pessoas verem o que querem. Um simples código um tanto questionável só não é aceito como evidência de fonte inteligente pelo fato de não ter se repetido. No entanto, a vida está cheia de evidências de planejamento inteligente em padrões que se repetem e podem ser observados em qualquer lugar do mundo. Segundo Richard Dawkins (cf. O Relojoeiro Cego), a mensagem encontrada apenas no núcleo de uma pequena ameba é maior do que os 30 volumes combinados da Enciclopédia Britânica. O que dizer, então, de órgãos complexos como o cérebro? Esses, sim, fruto do acaso cego? Vai entender…[MB – Criacionismo.com.br]

A busca por extraterrestres

 

 

O homem descobrirá novas formas de vida no Universo se mantiver a exploração do espaço, afirmaram nesta segunda-feira (12) os astronautas da missão espacial Endeavour em uma coletiva de imprensa em Tóquio, no Japão.

“Se nos aventurarmos longe o suficiente, estou seguro de que descobriremos algo lá em cima”, disse Mike Foreman, um dos sete membros da tripulação da nave que retornou à Terra em março. (Folha Online)

Um sistema de radiotelescópios criado especialmente para detectar sinais de vida alienígena começou a funcionar no norte do Estado da Califórnia, nos Estados Unidos.
Batizado de Allen Telescope Array (ATA), o sistema será capaz de analisar mais de um milhão de sistemas estelares na busca de sinais de rádio gerados por extraterrestres. O ATA já começou a operar com 42 de suas 350 antenas parabólicas de seis metros de diâmetro e está sendo considerado um dos maiores do mundo. Seus criadores esperam que o ATA seja capaz de identificar claros sinais de vida alienígena até 2025. (BBC Brasil)

NOTA: Por que este assunto dos extraterrestres conquistou a atenção dos centros de poder (política, mídia, Vaticano) de uns anos para cá?

Leia mais aqui, aqui e aqui.
Blog: Minuto Profetico

Vaticano admite que pode haver vida fora da Terra!!!

  PARTE I

Poucos suspeitariam que a maior instituição religiosa do mundo (na verdade, um Estado soberano), também se uniria às grandes forças da mídia mundial para facilitar o condicionamento mental da população quanto à aceitação das futuras aparições dos “ETs”.

OS FATOS:

1. A revista UFO, de julho de 1999, descreve em duas matérias (“O conhecimento do Vaticano sobre os ETs” e “O Vaticano admite seu interesse pelos UFOs”) informações valiosas sobre o pensamento e a atitude da Santa Sé diante do fenômeno ufológico. Entre outras coisas, por exemplo, ficamos sabendo que “a Santa Sé detém uma quantidade expressiva de dados sobre o Fenômeno UFO, que vem sendo mantida a sete chaves há séculos, assim como muitos outros segredos que compõem a tradição católica” (o segredo é a arma preferida para aqueles que buscam o poder). Curioso é o argumento usado para demonstrar por que o tal arquivo secreto do Vaticano é superior ao arquivo das demais potências mundiais como EUA, Rússia e China: “É o Vaticano quem detém os registros históricos da presença de alienígenas na Terra – inclusive muito antes e principalmente durante os tempos bíblicos” (por que será, então, que só depois de 1998 anos depois de Cristo se lembraram de incluir no Dicionário do Vaticano a expressão em latim “Res inexplicata volans” – coisa voadora inexplicável?).

2. Surpreendente mesmo é a maneira nada ortodoxa que o Vaticano arrumou para justificar a futura aparição de “ETs” aqui na Terra (uma vez que a Bíblia não afirma em lugar algum que os seres de outros planetas fizeram ou farão contato com os humanos – só os anjos têm essa missão). O padre Piero Coda, teólogo do Vaticano, afirmou em janeiro de 1997 que, “criados por Deus e tendo suas falhas, os extraterrestres também precisam de redenção através das palavras salvadoras de Jesus Cristo” (com este argumento extravagante, ele quebrou a barreira que impedia os extraterrestres de “visitarem” nosso planeta). A mesma opinião tem o jesuíta George Coyne, diretor do Observatório Astronômico do Vaticano entre os anos 1978 e 2006: “Se for possível encontrar civilizações em outros planetas, e se for factível comunicar-se com elas, deveríamos tentar enviar missionários para salvá-los, como fizemos no passado quando novas terras foram descobertas.”

3. De acordo ainda com a matéria da revista UFO (julho/1999), o teólogo do Vaticano, Corrado Balducci, era uma das pessoas mais próximas de João Paulo II, e afirmou várias vezes “fazer parte de uma comissão do Vaticano que trabalha com a possibilidade de contatos alienígenas e que busca um modo de promover uma aceitação global das manifestações de seres de outros planetas” (alguém ainda tem dúvida das intenções de Roma?). Monsenhor Balducci, como é conhecido, é um dos exorcistas oficiais do Vaticano, e continua cumprindo fielmente sua missão – tanto que acabou de escrever uma matéria para a revista UFO, edição nº 126, de outubro de 2006, com o título: “Os UFOs e a Igreja Católica”. O destaque nessa matéria ficou por conta do argumento apresentado sobre a validade do testemunho humano para as causas ufológicas. Em outras palavras, segundo ele, não podemos negar os fatos baseados em testemunhas oculares. Para dar força ao seu argumento, citou as palavras da obra Igreja e Espiritismo, escrita pelo teólogo jesuíta e parapsicólogo inglês Herbert Thurston: “Os cristãos que aceitam milagres e outros episódios relacionados ao Evangelho não podem rejeitar de maneira obstinada o testemunho reiterado de modernas e confiáveis testemunhas, que relatam o que seus olhos viram” (desde quando a norma de fé e prática para o cristão é aquilo que os olhos vêem? A Bíblia já nos alertou sobre este falso argumento: “Também opera grandes sinais, de maneira que até fogo do céu faz descer à terra, diante dos homens.” Apocalipse 13:13).

4. Para que a posição do Vaticano tivesse uma roupagem mais científica, decidiram, então, construir uma extensão do Observatório Astronômico do Vaticano na cidade de Tucson, Estado do Arizona, EUA (o observatório do Vaticano é o mais antigo do mundo, tendo sua sede central em Castel Gandolfo, nas cercanias de Roma) e fomentar com isso pesquisas científicas. (Confira aqui e aqui.)

A razão para a escolha desse local é simples: ali se encontra a Universidade do Arizona, que mantém um Departamento de Astronomia – um dos centros astronômicos mais destacados do mundo. Inclusive alguns jesuítas do Observatório do Vaticano lecionam astronomia na Universidade. O diretor escolhido neste ano para substituir o jesuíta George Coyne na condução dos trabalhos do Observatório do Vaticano é outro jesuíta: José Gabriel Funes (lembre-se de que os jesuítas guiam-se pelo princípio “os fins justificam os meios”).

5. Diante do exposto acima, não causa admiração que os “ETs” tenham resolvido responder favoravelmente a essa amigável parceria com a Santa Sé: no dia 7 de abril de 2005, exatamente um dia antes do enterro de João Paulo II (mais publicidade impossível), câmeras de vídeo filmaram um suposto OVNI em cima da Basílica de São Pedro. (Confira.)

A combinação espiritualismo-ufologia-vaticano tem sido explosiva para as verdades bíblicas!

“Vem o nosso Deus e não guarda silêncio; perante Ele arde um fogo devorador, ao Seu redor esbraveja grande tormenta.” Salmo 50:3

 PARTE II

O diretor do observatório astronômico do Vaticano, padre José Gabriel Funes, afirmou que Deus pode ter criado seres inteligentes em outros planetas do mesmo jeito como criou o universo e os homens. “Como existem diversas criaturas na Terra, poderiam existir também outros seres inteligentes, criados por Deus”, disse o diretor do observatório conhecido como Specola Vaticana. “Isso não contradiz nossa fé porque não podemos colocar limites à liberdade criadora de Deus”, acrescentou Funes, em entrevista ao jornal L’Osservatore Romano, órgão oficial de imprensa da Santa Sé.

Na entrevista ao jornal do papa, o padre Funes, jesuíta argentino de 45 anos de idade, cita São Francisco ao dizer que possíveis habitantes de outros planetas devem ser considerados como nossos irmãos. “Para citar São Francisco, se consideramos as criaturas terrestres como ‘irmão’ e ‘irmã’, por que não poderemos falar tambem de um ‘irmão extraterrestre’?”, pergunta o padre. “Ele tambem faria parte da criação.”

Na opinião do astrônomo do Vaticano, pode haver seres semelhantes a nós ou até mais evoluídos em outros planetas, ainda que não haja provas da existência deles. “É possível que existam. O universo é formado por 100 bilhões de galáxias, cada uma composta de 100 bilhões de estrelas, muitas delas ou quase todas poderiam ter planetas”, afirmou Funes.

“Como podemos excluir que a vida tenha se desenvolvido [sic] também em outro lugar?”, acrescentou. “Há um ramo da astronomia, a astrobiologia, que estuda justamente este aspecto e fez muitos progressos nos últimos anos.”

Segundo o cientista, estudar o universo não afasta, mas aproxima de Deus porque abre o coração e a mente e ajuda a colocar a vida das pessoas na “perspectiva certa”.

Padre Funes diz ainda que teorias como a do Big Bang e a do evolucionismo de Darwin, que explicam o nascimento do universo e da vida na Terra sem fazer relação com a existência de Deus, não se chocam com a visão da Igreja. “Como astrônomo, eu continuo a acreditar que Deus seja o criador do universo e que nós não somos o produto do acaso, mas filhos de um pai bom”, afirma.

“Observando as estrelas, emerge claramente um processo evolutivo, e este é um dado cientifico, mas não vejo nisso uma contradição com a fé em Deus.”

Na visão do religioso, estudar astronomia não leva necessariamente ao ateísmo. “É uma lenda achar que a astronomia favoreça uma visão atéia do mundo”, disse o padre. “Nosso trabalho demonstra que é possível fazer ciência seriamente e acreditar em Deus. A Igreja deixou sua marca na história da astronomia.” …

(UOL Notícias)

Leia também: “Extraterrestres existem?”